29/12/2012

O CIGARRO MATA E O ÁLCOOL, NÃO?

Cheguei de um compromisso e como tenho que estar em outro muito cedo, decidi não dormir e dar uma lida nos noticiários online. 
De cara tive que escolher entre uma vítima de bala perdida de 25 anos que deixa uma filhinha de 6,  um bebê que caiu da janela de um hotel e  do orgbulho ritânico ao lançar sua campanha contra o fumo e supostamente de alerta para os jovens. Não posto a foto aqui porque achei nojento e porque uma das premissas desse blog é evitar fotinhas, fadinhas, montagenzinhas... Mas se quer ver para entender, está aqui: Campanha antitabaco do governo britânco
É uma notícia informando que o governo britânico, lançou uma propaganda onde aparece um homem fumando e enquanto fuma um tumor vai crescendo no seu cigarro.
Eu acho todo exagero ridículo e improdutivo, não necessariamente nessa ordem. Atualmente são tão exageradas as fotos nos maços de cigarros, os fumantes ficam com a vantagem da desculpa do fantasioso, como se fosse uma ficção.
Um fumante, por seu vício, pode adquirir um monte de doenças, e causar outras tantas  no fumante passivo de convivência mais próxima... Mas em que o vício da nicotina é diferente do vício em substâncias alcoólicas e outras drogas legais ou ilegais como cocaína, crack, maconha?
Não acredito que algum viciado em crack tenha deixado o vício por ter visto as péssimas condições dos desafortunados cracudos habitantes das nossas ruas, da mesma forma que jamais soube que alguém tenha deixado de fumar cigarros por conta das fotos pavorosas contidas nos maços e certamente ninguém deixará de fumar por ver um tumor nascendo e crescendo no cigarro da propaganda dos britânicos...
Não existe ingenuidade, nem ignorância suprema que empurrem pessoas indefesas para o vício.  Existe pré-disposição. Todos sabem que não faz bem, principalmente após as leis praticamente mundiais que excluem o fumo do fumante e às vezes o próprio,  do convívio social como medida de prevenção protetora dos fumantes passivos. 

Se houvesse ênfase na orientação, esclarecimento, educação, tratamento e suporte para o tratamento do fumante, os resultados seriam mito melhores, porque essas ações educativas tem o poder de penetrar onde a lei não entra, por exemplo nos lares dos fumantes incondicionais. Todos sabem que não faz bem, principalmente após as leis praticamente mundiais que excluem o fumo do fumante e às vezes o próprio,  do convívio social como medida de prevenção protetora dos fumantes passivos.  Os dependentes de outras drogas que não o cigarro, sabem e quando não sabem aprendem por experiência própria toda a devastação que a droga pode causar no seu corpo e os danos para os seus, o que não impede que se droguem, que sofram e façam sofrer, que cheguem  inclusive às últimas consequências de um vício perverso que por ser vício é fora de controle. O fumante também sabe e não é raro ouvirmos de muitos deles que "dariam tudo" para conseguir abandonar o vício. 

Tabagismo é um vício, segundo pesquisas, vício é doença e ninguém é doente porque acha bonito. O fumante como o usuário de drogas ilegais precisa de orientação, esclarecimento e tratamento. Ao meu ver um tumor maligno nascendo num cigarro, não chega necessariamente a prestar nenhum desses três serviços. 


Um dos argumentos para a permanência do uso da maconha na ilegalidade é  justamente que ela seria a porta de entrada para o uso de outras drogas mais pesadas. Polêmicas e pontos de vista à parte, se isso espelhar a verdade, facilitaria bastante o combate ao uso das drogas "mais prejudiciais". Por outro lado, a maconha é consumida da mesma forma que um cigarro, aspirando-se via oral a fumaça, porque então há os que defendem a maconha e fumante de um simples cigarro encontra tantos detratores. Seria pelo fato do fumante nem sempre enquadrar-se no perfil de um marginal fora-da-lei? Pelo cigarro não oferecer surtos e alterações radicais de comportamento? Desse modo que o ônus da preocupação mundial com a saúde alheia lhe recaia sobre os ombros!
Ao não tomar medidas mais direcionadas ao esclarecimento das pessoas e optar por truques cenográficos e de photoshop perdem-se muitas oportunidades de educar e as autoridades, à luz de um pensamento mais apurado,  parecem  reconhecer que não levam o tabagismo a sério do mesmo jeito que não levam os casos de mortes por violência e doenças causadas pelo álcool.
A sociedade, se quiser resolver seus problemas, precisa deixar de lado a hipocrisia.

A começar pelo pensamento  que a saúde do cidadão é de interesse governamental devido o alto custo do seu tratamento, para os cofres públicos  logo,  não há preocupação com a saúde mas com o custo da cura da moléstia adquirida pelo hábito individual, respaldados pelos princípios democráticos. 
Se a questão fosse realmente a saúde do cidadão, bastava declarar o cigarro ilegal e impedir da forma mais legítima possível o funcionamento das fábricas. No entanto, os impostos pagos pelas empresas do tabaco interessam aos governos tanto quanto ou mais que a saúde do cidadão. Tanto quanto o desempenho da indústria automotiva que gera empregos e polui o ar. As doenças causadas pela poluição e tragédias decorrentes da deterioração do meio ambiente, oneram menos os cofres públicos?
Se houvesse um real interesse na saúde do cidadão, não haveria venda, estímulo ou  propaganda das bebidas alcoólicas que causam várias doenças quase todas mortais,  sem contar os atos de violência e acidentes decorrentes do excesso de bebidas. Nem haveria patrocínio desses produtos para eventos esportivos, mesmo o inofensivo refrigerante cuja fórmula o mundo desconhece.

Não basta uma lei seca no trânsito. Como não bastam propagandas que tentem culpar pelo terror em vez de orientar pelo esclarecimento, exatamente a faixa etária mais necessitada disso.

Todos sabemos, inclusive os dependentes,  que drogas são nocivas, causam doenças, mortes, miséria moral, espiritual e financeira.
Eu nunca vi alguém,  por  excesso de cigarro, cair duro, entrando em coma tabagístico.
Eu nunca vi alguém se afogar em poça d'água por excesso de fumaça.
Eu nunca soube de algum ser humano ter saído da sua razão e cometido um crime atroz, por ter fumado cigarros demais.

Esse tipo de propaganda só incentiva o patrulhamento ideológico, mune o anti-tabagista de armas que só servem para desencadear a ansiedade e estimular o preconceito contra o fumante que tal qual o usuário de álcool, vai precisar de um trago pra esquecer...

12/12/2012

ConfraternizAção do Amigos do Samba

O mundo não está repleto de coisas ruins por causa dos maus, mas pela onissão dos bons... Pense nisso e... VENHA!
Existe sempre algo que possamos fazer. "Sempre fica o perfume na mão de quem distribui rosas", a frase pode ser brega, mas é verdadeira!!

04/12/2012

RAP DO BOM


Às vezes duvido do que me dizem 
que é bom. 
De quem se diz 
que é bom. 
De quem se acha bom.

Bom pra quem? 
Bom porque? 
Bom pra quê?

Bondade não é coisa de santo
Bondade não é nada do além
Bondade é grande tanto quanto
A vontade de se comer alguém.

Bom pra quem?
Bom porque?
Bom pra quê?

Pra ser bom tem que ser de verdade
Tem que ser verdadeiro.
Pra ser bom tem que ter sentimento
E nunca se falar de dinheiro

Bom porque?
Bom pra quê?
Bom pra quem?
Na hora H olho em volta de você
Ninguém

É fácil se ofender
É fácil dizer
O difícil é fazer
É fácil falar
É fácil se magoar
É fácil choramingar
Mais difícil é provar.

Ficar olhando a vida do outro cheio de peninha
No fundo, sem querer mas bem satisfeito,
Que bom que essa vida desgraçada, não é minha!

Bom porque?
Bom pra quê?
Bom pra quem?
Um dia é contigo também
Você olha em volta
catuca, chora e não acha ninguém

A bondade ade de verdade
Tem que saber dizer não
Tem que saber a hora do Não
Tem que ter um quê de razão

Toda bondade desvinculada de interesse é vã?
Toda bondade sem fé é pagã?
Toda bondade disciplinada é sã?

Não acredito mais em bondade
Só existe existe gente boa
Boa de encontrar pela calçada
Bater um papinho Dizer coisa à toa.

Bondade não é coisa de santo
Bondade não é nada do além
Bondade é grande tanto quanto
A vontade de se comer alguém.

Bom porque?
Bom pra quê?
Bom pra quem?

Um dia é contigo também
Você olha em volta
catuca, berra chora,
manda a bola pra frente
porque não acha ninguém

(Rozzi Brasil)

03/11/2012




20/10/2012

Sozinhos no Mundo


O brasileiro ainda não percebeu que é único, que escreve a história, que é singular e isso nada tem a ver com ufanismo. 

Nossa história é singular e estamos a escrevê-la de primeira, talvez sem rascunho. 

A gente não pode adotar padrões de beleza internacionais, nem pacotes culturais completos de fora. 

Por nossa singularidade temos que ter nossas próprias soluções e criar nossos próprios model
os. Somos um país jovem e não tem como se ver num espelho de neve e tradição dos antigos. Era ridículo empoar a cara, usar espartilho e vestidões armados e calças de veludo. Era de extremo mal gosto o capataz mulato caçar e chicotear o escravo negro.
Praticou-se tanta ação grotesca para se parecer com a Europa de séculos atrás... 
E agora? Vamos copiar alguém mais uma vez ou entender que "esperar não é saber"?

Nenhum outro país do mundo teve sua nação constituída por várias etnias, criando, não uma nova etnia, mas novos padrões de comportamento.
Nenhum país do mundo tem tanta variedade de fauna, flora e clima.
Falta ao brasileiro perder esse orgulho babaca relativo às coisas que nem nos dizem respeito, na verdade, prêmios de consolação, agradinho estrangeiro, bala Juqinha e orgulhar-se das sua verdades, do seu estilo ao qual não pode fugir.
É lindo um olho azul, mas será que a cor de jabuticaba em conjunto com um cabelo da cor da asa de graúna não tem sua beleza?
Assim conseguiria criar suas próprias modas, ser autêntico e perceber que tem todo o direito de fazer suas escolhas.
A gente tem bunda pra dar e vender, casos de mulheres desbundadas são pontuais e isso não quer dizer que sejamos apenas bunda mas apenas, que não precisamos de expedientes artificiais para tê-las. Isso não é problema nosso.
Por que adotar um padrão estético que foi baseado no excesso de mulher despeitadas e sem bunda? Porque achar que nada é mais lindo que o bebê loiro? A grma do vizinho pode até parecer mais verde, mas há mitas vantagens em não ter cor.

Ninguém faz novelas como nós. Pra que criticar quem gosta?
O país é democrático. Qual o problema de se escolher uma TV como diversão?
A programação da TV é ruim. A cobrança é para quem assiste ou para quem faz?
Lugar de intelectual não é na rede social criticando noveleiro, um intelectual tem que no mínimo saber suas competências e seu lugar de direito. Pessoas estudas e inteligentes precisam nos ajudar a pensar nosso país e nos apresentar a ele como inédito, o que dá atodos, nós brasileiros grande responsabilidade. Ninguém faz samba como nós, ninguém improvisa como nós, ser moreno é lindo, ser negro é bacana e isso é cor de pele, raça não existe, talvez só no Kannel Club e a gente não é cachorro, não!








09/10/2012

negro 9



Quanto tempo vai ficar vivendo o que disseram pra você que é bom?
Quanto tempo vai se exibir pra turma um você que não existe? 
Quanto tempo ainda alimentando a vaidade de quem só repara a sua vida porque não aprendeu a viver direito. 
Quanto tempo ainda de insatisfação atendendo o que lhe comanda a televisão??

08/10/2012

O Glorioso desde 1910


20/04/1910

Há exatos 102 anos, o BOTAFOGO era CAMPEÃO CARIOCA com uma goleada por 6 a 1 sobre o Fluminense! Com nove vitórias em dez jogos, sendo sete goleadas, o FOGÃO ganhou o apelido de O GLORIOSO!


Um certo Programa do Jô com Almir Guineto


JÔ: "Precisava 3 pra fazer essa musiquinha"? hahahahahaha

EU DE CASA PRO JÔ: Agora canta aê Jô Soares a música que você fez e tocou em Marte!!!!
CEIÇA SOBRE O JÔ:
Jo Soares ta ficando gaga...hauahauaaau

ALESSANDRO SOBRE O JÔ: 
O Difícil e fazer o Fácil ! são músicas eternas que estão na boca do povo, agora Almir fez uma fácil dessa e faz uma poesia linda como Lama nas Ruas que vale mais que qualquer livro do Jô !

SEU PAULO DO MEU FACEBOOK PRO Jô: - " O JÔ é refém da produção. Ele não pode ter emburrecido de repente. Eu acho que ele está blindado pela globo como todos os informativos estão. Eu acredito que ele nem sabe quem é Almir Guineto. Ele ridiculariza o entrevistado e os babacas do auditório morrem de rir, O padrão Global hoje é a maior droga da TV brasileira , começa com o Faustão no domingo e termina no Altas Horas no sábado. O Diretor Geral pediu demissão porque não aguentou a pressão no jornalismo e na baixa qualidade da programação. Em toda a programação , só se salvam alguns fillmes e Gabriela o resto é lixo".

EU PRO SEU PAULO:Eu penso que na vida, os desafios são fundamentais, mas hoje, existem situações que entediam e não desafiam e o profissional cansa. Por exemplo, o que poderia desafiar Ronaldinho Gaúcho? O desprezo da torcida carioca. Foi a única coisa que fez com que ele voltasse a funcionar como trabalhador do seu ofício.
Certas funções permitem que o cara ganhe grana demais, tenha fama demais numa fase ainda p
rodutiva. Mas aí pra que se ferrar de trabalhar e dar o melhor, com tanta grana e prestígio pra usufruir?
O Jô me parece cansado, só não cansou de ser incensado e esse programa com audiência infinita, é perfeito pra isso e, lamentavelmente, se vai no Jô é um carimbo pro sucesso. Vive de uma fama adquirida em outras circunstâncias, assim como os que vc citou, Serginho, Faustão...

ah, cansei de falar sobre a indelicadeza do Jô com o Almir Guinéto.


Ted Boy Marino


E existindo um bom dia para partir, 
uma data boa de morrer 
e se é possível haver escolha 
para se deixar um corpo velho 
onde se é pálido espelho que reflete o que se foi em vida. 
Sua escolha foi bem feita 
partindo você num dia tão terno, 
infantil e doce, 
daqueles que dão mais ênfase ao que está para sempre perdido, 
eternamente guardado nas lembranças 
do que temos como sagrado!
Vai em paz!

CAJUEIRO DAS ARARAS - 1


No interior do centro urbano do Rio de Janeiro, ou, subúrbio da antiga Guanabara, ou antiga Zona Rural que compreendia os bairros de Jacarepagua, Barra da Tijuca, Bangu, Campo Grande. Tomávamos café o dia todo, o" bolinho de graxa" talvez seja parente do "de chuva", vinho de garrafão/ barril liberado um copinho ou canequinha (cálice era coisa de fresco) por 
dia para as crianças - o que me acende enorme ternura pelos vinhos baratos como uma nódoa de infância que não larga meu paladar, ou quem sabe seja um rasgo de luz na minha alma...

Minha mãe e a minha avó fizeram inacreditáveis pães até os anos 80 e minha vizinha Dona Vina, mantinha lá o seu forno de lenha, quase comunitário. Domingos, sim, comida de luxo! Sem feijão quase sempre macarrão com galinha do quintal, às vezes até uma peixada, afinal a gente vivia colado no mar, embora o bípede vesse parede-e-meia "com nós", colado e cacarejante
Tem outras coisinhas parecidas, mas essas são as relevantes por frequencia. Estou impressionada, eu sou do interior e não sabia!
Minha mãe e a minha avó fizeram inacreditáveis pães até os anos 80 e minha vizinha Dona Vina, mantinha lá o seu forno de lenha, quase comunitário. Domingos, sim, comida de luxo! Sem feijão quase sempre macarrão com galinha do quintal, às vezes até uma peixada, afinal a gente vivia colado no mar, embora o bípede vesse parede-e-meia "com nós", colado e cacarejante
Tem outras coisinhas parecidas, mas essas são as relevantes por frequencia. Estou impressionada, eu sou do interior e não sabia!


"Talvez a culinária mais representativa do Paraná sejam os pratos preparados no interior do estado. Essa culinár
ia está intimamente ligada à vida doméstica e ao fogão a lenha. Pouco estudados, mal se sabe como surgiram esses pratos, mas fazem parte do dia a dia da população local, embora curiosamente, não sejam encontrados em restaurantes, tampouco valorizados por chefs de cozinha.
Em uma típica casa de família italiana das cidades do interior paranaense não se come feijão aos domingos. Domingo é dia de churrasco, macarronada caseira ou nhoque, sempre acompanhados de salada de alface e vinho de garrafão.
O pão caseiro ainda é comum e nas pequenas comunidades do interior ainda é possível ver os fornos de barro nos quintais. A bolacha caseira, os doces de fruta e compotas ainda são feitos nas pequenas cidades pelas donas de casa.
Ainda é comum nesses lugares que a mulher que acabou de ter filhos passe alguns anos em casa e apenas o marido trabalhe fora. Dessa forma surgem tanto o artesanato, composto principalmente de trabalhos com crochê como a rica culinária local. Para acompanhar o chimarrão, bebido desde a manhã antes do café até depois do jantar, surgiram diversos pratos que vão desde as roscas de farinha e ovos cobertas com uma camada de açúcar e canela, “bolinhos de graxa” doces ou salgados, fritos na banha de porco, largamente usada na região, “cueca virada”, conhecida em alguns lugares como grostoli e pipoca coberta de chocolate ou açúcar queimado.
É comum existir hortas nas casas, onde há sempre cebolinha verde e salsinha, mais resistentes ao frio. Esses são os principais temperos da culinária local e costumam ser compartilhadas entre os vizinhos.
O café não é bebido apenas no desjejum. É comum acompanhar as principais refeições como forma de aquecer o corpo. Nos dias mais frios adiciona-se grappa ou “graspa” ao café, fazendo com que o calor se mantenha no corpo durante mais tempo.
Os descendentes de italianos, aqui apenas chamados orgulhosamente “italianos” ou “gringos” também são os grandes responsáveis pela fabricação dos queijos e salames de colônia. Aqui a “roça” é um lugar de plantio e criação de gado de leite. Nessas “colônias” ainda é possível encontrar antigas técnicas de conservação de alimentos no sal e na banha, sabão caseiro feito a partir de gordura animal e uma imensa variedade de doces em conserva.
O frio rege a vida e a culinária local. As bebidas que aquecem o corpo e as comidas gordurosas fazem parte do cotidiano. A vida no interior, onde o comércio ainda fecha durante o horário de almoço e mesmo as donas de casa que trabalham fora tem tempo de preparar a comida, possibilita a manutenção das tradições herdadas dos imigrantes"
 


(Gil Vesolli)


CAJUEIRO DAS ARARAS - 2


"Acho que a maior vantagem de ser atéia é não acreditar que existe um deus que me culpará, julgará e punirá pelos meus pensamentos. Acho muito mais saudável pensar em atos como sair arrancando cabeças por aí que de fato fazê-lo.
(........)

Talvez aqueles pensamentos "maus" que não conseguimos elaborar (no sentido psicanalítico da palavra) se transforme, cedo ou tarde em coisa muito pior que pecado".(Gil Vesolli)


Sempre pensei que se transformassem em maldade. Não há nada mais maldoso e indigno que a caridade das esmolas e dê algum tipo de lucro; do que o apoio que aguarda a recompensa que a "vítima" mude de lado. O maior problema da repressão é sempre encontrar um disfarce de bondade ou razão e alvos para se atirar...
Não posso dizer que eu seja atéia, mas vivo feliz com o meu deus particular, pessoal e intransferível dissidente do déspota vigente em mandato há tanto tempo.

8

Descobri que criatividade tenho sempre, 
originalidade só às vezes, mas não perdi a fé 
em que se descubra algum dia em mim, um gênio...

07/10/2012

Pensamento Paralelo - 9


O mundo é injusto.
Pessoas vestidas despojadamente não conseguem credibilidade facilmente, 

provavelmente serão barradas na porta giratória do banco. 
Ainda não entenderam que assaltante pode vestir-se  bem 
pessoas honestas podem não se preocupar tanto com isso.Quando você pratica ou promove uma ação beneficente, desconfiam de você. 
Ainda não entenderam que as pessoas desonestas que lucram com a miséria alheia tem
 um discurso completo e respostas para qualquer suspeita.



O seu emprego pode atrair pessoas, amizades, amores.


A sua fama também. 

O seu carro conquista mais seguidores que as sua idéias.

É mais fácil roubar uma idéia do que formar parceria para concretizá-la juntos...
O valor das aparências pesam mais do que o caráter que às vezes não temos tempo de demonstrar.
A eficiência no trabalho se conquista com estudo e experiência, é justamente aí, que somos preteridos por outros valores, por isso no Brasil tem tantos empreendedores, para o bem e para o mal.
Depois de apanhar tanto, é dificil não ter vontade de bater...

De onde será que vem tanta injustiça?


***

Tem gente que se especializa em preencher sua ausência de carisma, sua falta de conteúdo, sua preguiça de crescer com acenos de  falsas promessas, com dinheiro que possua  ou não...
Tem gente que tal qual os cães de caça,treina o seu olfato para distinguir o cheiro da necessidade dos outros e assim seduzi-los.
Há pessoas que com mentiras se sustentam no desejo imenso de humilhar os bons que não pensaram em enriquecer.









pensamento paralelo-10


Dia lindo! 
Já tive lindos dia de chuva, mas os de sol são insuperáveis. O Brasil tem o céu mais azul do planeta, dá vontade de não olhar mais pra baixo, mas eis que aí, sentimos o cheiro do mar...

O Tablet ou a Vida

Hoje com tablet estive ausente de todos os lugares onde estive. 
Será que deixei de conhecer alguém bacana? 
Será que não deveria ter tomado um chope olhando pra Rocinha? 

Será que não seria melhor olhar a paisagem agora, em vez de percorrer com os olhos, desconfiada se tem ladrão por perto?
Tablet pode ser bom, viver é melhor ainda!

DANDO NOME AO PAI

Quando o assunto é religião, descrevo-me como atéia, por não reconhecer deus da forma como o descrevem. Se o assunto é religiosidade sou crente fervorosa. 
Suponho que o grande lance da religião seja nos orientar para o caminho da igualdade, até que percebamos a fraternidade e possamos nos tornar irmãos. Para isso somos diferentes: para descobrirmos a igualdade de uma forma além dos discursos, longe 

dos "sepulcros caiados".



Acredito em deus e, para não confundi-lo com os genéricos de ocasião, a ele dou o nome de Vida, tenho uma virtual (talvez virtuosa) amiga que o chama de "deus de pelúcia". Ela crê nele assim porque assim o vê, porque com ela assim ele mora.
Dessa forma,  hoje, eu quero agradecer à Vida (podem entender como Deus) por ela estar comigo e ter sido pra mim do jeito que é.

Agradeço à Vida tudo o que ela me deu, principalmente as tristezas, decepções, bolas-fora, falsidades,  essas coisas tantas que me fizeram olhar pra fora, olhar pra cima e perceber que a luz se faz, alegria se vive e felicidade se constrói.

A alegria endinheirada em excesso,acaba por resultar num tédio de shopping que ressalta as diferenças. Porém tragédias só são excessivas quando focamos nelas - aprendi isso vendo as competições da paraolimpíadas esse ano. Talvez no futuro os atletas paraolímpicos tenham recordes superiores aos olímpicos... 


Eles não lutam apenas para vencer uma prova, eles lutam para se tornarem maiores que as suas limitações, enquanto a nossa sociedade só faz ver se as pessoas encaixam no modelo criado para as competições diárias que existem onde deveria existir apenas cooperação. 


Aprendi isso vendo os noticiários esportivos, então é fato!
"Gracias à la vida que me ha dado tanto"!



BOM DIA AINDA QUE SEJA DE TARDE.

COISAS PEQUENAS


O lado direito do meu cérebro está comprometido.
Fico toda torta por você.
O lado esquerdo compensa a deficiência
busca formas de fazer acontecer.

CAJUEIRO DAS ARARAS -1


Alguém mais  já chegou à  conclusão de que o estado em que a gente se encontra algumas vezes não é vida?
(Gil Vesolli)

Não falo mais sobre isso, escrevo mas fora das mídias sociais porque cansei de, por verbalizar isso,  ter o título de deprimida, desajustada, chata, pesada... 
Então, à moda dos pacientes psiquiátricos,  boto no canto da boca, debaixo da língua essa pílula de merda, farsa, ilusão, hipocrisia, mentira,  concentradas (esses pseudosanitaristas sentem prazer indescritível na sensação de serem enganados, no pressentimento de que coisas acontecem às suas costas e revelias sem oferecer-lhes perigo. O populacho num movimento de vermes a fazer-lhe cosquinhas para seu deleite).

Cuspo (a pílula)  onde for possível - de preferência num dos  meus blogs, aquele que não está publicado, porque o povo brasileiro em berço esplêndido dorme, sonhando que é ou será novo mundo, primeiro mundo, mundo novo, novo mundo. Gente com DNA de Europa sob a pele preta. 
Não posso fazer barulho, não devo chamar à atenção, porque não conclui se viver enclausurada em mim ainda é uma sobrevida mais interessante do que ir pra vala comum das pessoas comuns...


25/08/2012

Experiencia

Dá pra se conhecer uma pessoa melhor pelo facebook do que por anos de encontros.
Por mais que digam que nesta rede social se posta o que querem que os outros acreditem, ou, exatamente por isso.

E_M B-Day



Quebre todos os retrovisores,
esqueça o freio e acelere!
Vai que dá! 
Não pare nunca,
são poucas as vagas,
os flanelas cobram um absurdo e não são confiáveis.
Ser  flanela é  questão de dificuldade ou  oportunidade
Então, não pare quando te pararem
Te dando um puta susto, acenando sem parar,
oferecendo muita comodidade,
bastante facilidade
em troca de algum dinheiro.
Acelere!
Melhor pagar alguma multa
do que um carro inteiro!

Mantenha-se em dia,
tenha uma boa buzina afinal,
tem sempre uma vaca na estrada,
tem sempre boi na linha...
Tudo dá em alguma coisa
ainda não nasceu aquilo que dê em nada.
É bom saber fazer barulho na hora adequada.


Esqueça aquele conselho antigo:
fale com estranhos, sim!
Só não dê confiança pra eles.
Ao contrário do que dizem,
viver não perigoso.
Por isso deve-se confiar em todo mundo
Sem "dar confiança a ninguém"
"Dê-se ao desfrute" e "não perca o respeito".
Viver é  refazer tudo o que os nossos deixaram feito

Só vamos à escola para aprender a ler,
A viver aprendemos apenas vivendo.
Coração é apenas um músculo oco que bombeia o sangue para o cérebro,
que é, uma fábrica de dopamina.
Dopamina é um neurotransmissor responsável pela sensação de prazer,  
portanto:
Cuide do coração e jamais bata com a cabeça!!!

16/08/2012

descobertas


Ontem tive algumas tão idiotas quanto duras constatações:

1- Os ricos fazem parte do Brasil... Eles também tem direito a opiniões e de cara já saem com a vantagem da razão.

2- Quando a gente é jovem, é entusiasta, depois dos 40 nossa empolgação é chamada de agressividade, o que é bem melhor do que "assanhamento", mas só porque a palavra caiu em desuso... A qualidade de vida aumentou mita coisa, mas tudo o que a juventude capitalista espera de uma coroa é conformismo, apatia e um dinheirinho "pra dar garantia"

3- Minha geração mudou sim o mundo. Não fizemos um bom trabalho, mas foi o melhor que se podia...

4- O homem inventa, mas quem constrói é a mulher. Alguém tinha que contar isso pra elas...

06/08/2012

Mulher


Nem sempre o que não tem um bom nome, deixa de ser uma grande idéia e artigo de necessidade. 
Sinceramente não acho Marcha das Vadias um nome positivo, mas como é chamativo, acaba tendo oportunidade para que o movimento diga a que veio.  
Sua história é interessante e sua trajetória tem sido vertiginosa, por ser assim tão recente e já estar colecionando causos, virando caso de polícia e fazendo história! 
Deixando os conservadores em estado de choque e o preconceito exposto feito fratura.
Fui atrás das duas marchas que ocorreram no Rio, ano passado e neste, não tenho opinião formada (pasmem vocês!) sobre o impulso das meninas de tirarem a blusa... 

Credito o ato ao calor tanto climático quanto da emoção de estar numa atividade dessas. Acho que dá munição para os do contra que conseguem tudo oque queriam, um motivo pra xingar. 
O lugar comum de dizer que o movimento tem o título adequado, já me dá vontade de rir, deve ter muito marmanjo pensando se na próxima vai ter mulher pelada de novo, assim como conheço gente que pinça do facebook  as prováveis frases que estamparão seus cartazes.
Não sei o que acontece com as cabeças do movimento o restante do ano.  Mas o que achei bastante interessante sobre o movimento foi num blog de um homem do qual linkei o texto abaixo.
Ah, tá legal, a Marcha aqui no Rio foi em maio e escrevo agora justamente como forma de não deixar o fogo apagar. Mais do que na hora de as mulheres se mexerem de novo para uma direção diferente do shopping, salão e festas. O mais bacana que acho nessa Marcha das Vadias é ver toda a organização e linguagem nascer e se organizar pela internet, eu que sou de outro tempo, enho o hábito de pensar que internet é coisa de quem  não é feliz de verdade, tem medo de lutar de verdade, tem medo de ir contra uma realidade. Não me acho ultrapassada, pelo contrário, me assumo como uma pessoa pouco plugada e  analiso que uma postagem denunciando corrupção gera milhares de curtir e compartilhamentos  ao mesmo tempo que não cria corpo tão robusto nas ruas, mas já é um grande começo!


"Não podemos mais falar em uma “mulher universal”. Quando não explicitamos a cor, o sentimento de gênero ou a sexualidade dessa mulher, estamos falando da mulher branca heterossexual. Uma mulher que durante anos foi confinada ao lar e que corresponde ao estereótipo de recato e fragilidade. 

A mulher negra sempre teve que trabalhar, são brutalizadas e desumanizadas. Seu estereótipo é de uma mulher hipersexualizada, desregrada e interesseira. 

As indígenas, por sua nudez, são chamadas de devassas. 

As lésbicas tem sua sexualidade constantemente questionada. 

As transexuais não podem sequer existir socialmente. 

Sabemos que a ideologia machista desumaniza a mulher, garantindo assim sua subordinação como sujeito de categoria inferior na hierarquia das classes sociais, mas é preciso perceber que o racismo, a lesbofobia e a transfobia agem de maneiras diferentes, apesar de fazerem parte do mesmo sistema misógino."

10/07/2012

Marthando, Um Por dia

Série:
Marthando, Um Por Dia ou Martha Cobra e Mostra Crônica
São 7 slides pra lá de caseiros com frases pinçadas das crônicas,  ou talvez de uma única crônica de Martha Medeiros, que foram "postados" (argh), um por dia no meu perfil pessoal do Facebook.
Foi uma experiência muito interessante que vou contar assim que voltar do trabalho.
Grande beijo a todos!
http://exoticum.blogspot.com.br/p/martha-medeiros-semana.html

06/07/2012

CADEIA NELA!


Americana é presa por dar cerveja para filho de 2 anos

Valerie Marie Topete, de 36 anos, foi presa acusada de dar cerveja para o filho de 2 anos. Ela pôs a bebida em um copo especial para crianças, conhecido como sippy cup, que evita que o líquido derrame. 

A mulher foi flagrada no ato tresloucado em uma pizzaria dePhoenix (Arizona, EUA). A polícia foi ao local, prendeu a mulher, apreendeu o copo e encaminhou a criança a um hospital. 

Na delegacia, a mulher disse ter enchido o copo com cerveja porque o filho estava insistindo em pegar a garrafa

Após ser liberada do hospital, a criança foi entregue ao pai, noticiou a Fox. Valerie será processaMarcadoresda por abuso infantil.
(Copiado do Fernando Moreira)

Palhaço


O Dan Stulbach disse no programa da Marília Gabriela que não gosta do Circo de Soleil, porque ele desaparece com a figura do palhaço. Eu acho bonito quando um artista se posiciona com sinceridade. 
Claro que ter sinceridade é ó timo em qualquer ser humano, mas num ator que vive de imagem e audiência é espetacular. 
De repente um cara lindo, famoso, talvez rico ou apenas bem sucedido, conseguiu traduzir aquilo que há anos eu venho tentando sem conseguir, verbalizar: Não assisto ao Circo de Soleil porque é caro e não tem palhaço.
Não é poque eu não tenha dinheiro para pagar o ingresso, apenas porque não assisto nada que ache caro demais. Não porque eu não queira gastar dinheiro. Muitas coisas na vida vão além do valor monetário atribuído.O Cirque de Soleil é um espetáculo e põe seus acrobatas, merecidamente no status de super heróis... Mas não tem palhaço... Não tem palhaçada... Se tem não sobressai porque ninguém nunca comentou pra mim que lá houvesse palhaços maravilhosos...
Eu já aceitei circo sem domador e sem animais...
Já aceitei circo sem "o maior espetáculo da Terra",
sem palhaço é demais!

O palhaço que vê sua arte na cara do outro, uma figura humana sem competições, um lado ingênuo feito pra quem tem algum tipo de pureza. 
Como tantas outras coisas da nossa cultura, desaparecendo, cedendo lugar pra coisas mais bonitas, voluptuosas, modernas e ligeiramente sem alma.
 Procurando evolução nunca fomos tão gado, compartilhando os mesmos conteúdos, usando tablets da mesma marca, procurando a mesma fórmula de tentar ser feliz nessa vida adquirindo os mesmos produtos nas mesmas lojas, estimulando os genéricos.
Acho que prefiro a gargalhada ao encanto. 

O sorriso ao espanto.

30/06/2012

Desculpas

Algumas pessoas que alegam falta de tempo para o ato de se esquecerem das outras, ficam tão ocupadas consigo mesmas que não percebem que sua falta de atenção se faz perceptível através dos mínimos gestos. 
Portanto, cuidado! O amor e a desatenção são percebidos através dos pequenos gestos, mínimos detalhes. Quem ama se preocupa e tem poucos motivos para pedir desculpas.

Amizade

A vida já colocou no meu caminho, pessoas que me pediram para fazer coisas que elas jamais fariam, mais: 
Se eu não fizesse estaria provando que não era amiga de verdade.
O mundo feminino pode ser mais cruel que caatinga sertaneja numa seca de meses...

Fidelidade da Preguiça

A minha preguiça me obriga a ser fiel. Infidelidade dá tanto trabalho... Prefiro gastar a criatividade que seria usada em algumas desculpas, escrevendo no facebook!! 

Luzes

A pergunta é a seguinte: 
A iluminação colocada em alguns prédios e monumentos para a Rio+20 não poderia ceder uma lâmpadas para algumas ruas aqui da Lapa?

Homens e Livros

Antigamente "um país era feito de homens e livros", livros eram caros e os homens estava ocupados e não perceberam que os professores eram mal pagos, havia poucas bibliotecas e muita gente aprendeu a ler funcionalmente...

Céu de Paris

Quando vamos à Paris, entendemos o significado da expressão céu azul anil. Quando passamos pela rua do Rezende à noite descobrimos porque Paris é a cidade luz!

Céu de Paris

Quando vamos à Paris, entendemos o significado da expressão céu azul anil.
Quando passamos pela rua do Rezende à noite descobrimos porque Paris é a cidade luz!



**
Nota:
Eu acho o céu de Paris de um azul mais assim para o opaco (não falaria acinzentado porque pegaria mal...) Mas quando a noite cai, é uma beleza a cidade. Mas a Lapa tem trechos de Gothan Citty invadida pelo Pinguim!!!

07/06/2012

As Canções - Eduardo Coutinho

Assisti As Canções do diretor Eduardo Coutinho. Fui sem ler resenha alguma, afinal era um Eduardo Coutinho diretor do qual sou fã sem especialista, porque afinal não sou especialista em nenhum autor, tenho minhas "grifes" .
De cara o filme remeteu-me ao anterior Jogo de Cena. Saí do cinema pensando se seria a resposta da música à interpretação... Mas se em Jogo de as Cena tínhamos algumas atrizes famosas, em As Canções famosas, apenas as músicas e as histórias, por inusitadas que fossem, todas girando em torno do amor, da emoção de ter-se amado um dia  ou de ter-se amado menos que se podia mas no fundo amores perdidos.
As pessoas entram num palco de cortinas escuras, cadeira escura cantam suas canções e contam suas histórias ou vice-e-versa, levantam-se e saem dali provavelmente diferente do que entraram porque eu me senti diferente de quando entrei para ver o documentário. Mesmo as pessoas que mais leves, deixam o peso de uma história. Mesmo aqueles que contam de maneira a provocar risos, falam de dramas um pedaço que se foi e que a canção permanece a preencher.
Pergunto-me qual o segredo de Coutinho a deixar pessoas tão à vontade contando particularidades, sim, eu sei são  histórias pessoais já divididas, partilhadas com aqueles com quem convivem. Mas teriam sido as canções que fizeram do diretor alguém íntimo para que abrissem o coração antes de cantar a plenos pulmões?
O filho que dizia não ao pai, o homem que dizia não à esposa, a mulher que ouviu tantos nãos do seu afeto durante 30 anos de idas e vindas, o homem que mudou-se do interior depois de perder em curto período esposa e familiares. O coronel que hoje lava a louça e leva a esposa de carro ao médico, a mulher que perdeu o amante após  ganhar centímetros a mais na cinturinha de pilão, a jovem agora uma senhora expulsa de casa por ser mãe solteira que encontra o amor da sua vida quando tentaria dar fim a sua vida e da própria filha. Cantora do programa do Ary Barrozo aposentada. Histórias, emoções mesmo que em torno do mesmo tema, tão diferentes umas das outras, geradas por um sentimento que todos tivemos um dia, de ter amado e ter perdido. De continua amando mesmo preterido.
Coutinho e seu método, penumbra, cadeira, exposição poderia ser um dentista, mas é que a dor do paciente fica com a gente...

21/05/2012

Paraísos Artificiais

Paraísos Artificiais decepcionou. Nunca um longa nem tão longo me pareceu tão comprido,  Exceção para a fotografia e a direção nas cenas de sexo. Bem feitas, reais, intrigantes sem passar pelo pornográfico. Natália Dill, sempre há que ter uma bela mulher para que o paraíso não esteja de todo perdido...

09/05/2012

Eu sofro pelo que não há e me dói o que não houve.
(Carla Can)

08/05/2012


Pensando direitinho, na nossa vida todo dia é dia de estréia de um espetáculo sem direito a ensaios...
Dependemos uns dos outros para os aplausos ou não. Estaremos sós no camarim quando o dia não trouxer a alegria do sucesso ou não
Estaremos sorrindo com o peito dilacerado, uma nuvem na mente, um embaçamento na alma ou não
Seja o que for jamais saberemos como será. Podemos contar o que foi.
Pegando a condução pela manhã para mais um dia de trabalho, não será este o primeiro dia de trampo, nem esse o primeiro ônibus de nossa vida, mas com certeza é a estréia nesses lugares nesse dia.
Um rio não passa duas vezes no mesmo lugar. Não damos duas vezes o mesmo sorriso. Não comeremos jamais duas vezes a mesma marmita.
É tão importante cavar buracos para a construção da ponte, quanto iluminar a festa de inauguração, como passar por elas todos os dias.
Um dia ainda teremos como viver de modo a não esquecer que todo minuto é único e por isso mesmo último e a vida sagrada demais.
Hoje eu tenho uma estréia!

29/04/2012

Março de 2012: Um Mês Pra Esquecer!


imagem "Ética e Justila do blog: http://diogenesbrandao.blogspot.com.br 

Na cama com pneumonia vi pela TV o mês de março mais terrivelmente movimentado da minha vida, incluindo aí, pelas minhas contas, o exame toxicológico mais rápido da história dos noticiários: Wanderson Pereira de Souza faleceu por atropelamento no dia 17/03 e na tarde do dia 23 os noticiários informavam sobre a presença de 15,5 dg/L (decigramas por litro) de álcool no sangue.  Não sei se essa quantidade é grande ou pequena, mas foi o suficiente para torná-lo culpado por sua própria morte, já que o motorista do veículo que o atropelou, “estava trafegando dentro da velocidade permitida no local do acidente, e não ingeriu álcool antes de dirigir”. A outra perícia, a do veículo, deve ser algo bastante complicado de ser feito com a mesma rapidez, assim, uma vez que “todos somos iguais perante a lei”, resta-nos a esperança de que a lei seja igual para todos... 


Wanderson, o morto e sua família em silêncio quase que absoluto, nos mostram que leis não evitam acidentes e talvez não sejam suficientes nem mesmo para apurar responsabilidades se os procedimentos  não favorecerem, por lei, a lenta apuração. 


Romário postou no seu Facebook o aviso que a Copa de 2014 será o "maior roubo da história do Brasil” e intimou os brasileiros a se manifestarem. Por algum motivo que escapou ao meu entendimento o Baixinho dessa vez, se foi ouvido, não foi atendido. Marcou mas não pontuou ou o inverso que neste caso dá no mesmo.
O Fantástico infiltrou um repórter como comprador de um hospital, mostrando como são feitas fraudes nas licitações de saúde pública, fato que movimentou todos os noticiários e ainda são comentados como uma novidade realmente muito inédita, jamais pensada ou imaginada. As autoridades se coçam e caçam as bruxas prometendo cancelamento dos contratos com as empresas envolvidas, como se elas não pudessem retornar com nova razão social... Os empregados, não fraudulentos, envolvidos nessas contratações,  não foram  mencionados, não sabemos se terão suspensos seus salários,  geralmente com valor infinitamente inferior aos da propina... Mas quem se importa com o cidadão?


Março foi também o mês dos tombos e quedas. Uma menina despenca do alto de um brinquedo num parque em Sampa, Sérgio Reis cai do palco em BH. Moça "desaba" do Parapente.  Polícia indicia duas pessoas pela queda de atores na peça Xanadu... Com exceção do Sérgio Reis, poderiam ser quedas evitáveis e eu me pergunto se negligência é o mesmo que acidente...


O príncipe Harry vem ao Brasil cheio de simpatia, faz visita, jogo de pólo e leilão beneficente...   


O goleiro Bruno admite que a suposta morta esteja realmente morta e advogado do outro acusado, o Macarrão, diz que ele é inocente e não vai livrar o atleta da acusação. Atribuir culpa aos culpados deve realmente ser um exercício bastante complexo. 


Bombeiros grevistas são presos num presídio de segurança máxima, os líderes da greve saem de lá, expulsos da corporação, sem respeito, sem o aumento salarial que pleiteavam, 
o que não significa que não estejamos num país democrático afinal, dia 31 de março houve comemoração dos militares pelo golpe que eles aplicaram no país há 48 anos.  Teve paraquedistas e saltos.  Bolsonaro contratou um avião para circular pelas orlas da Barra e da Zona Sul com uma faixa que trazia a mensagem "Parabéns, Brasil, 31 de março 64”. No dia 29 a aparentemente frustrada comemoração no Centro, foi um revival daquilo que eles mais gostavam de fazer: ver o povo apanhar!


Morreram Chico Anísio, Millor Fernandes, Ademilde Fonseca, Jorge Goulart, César Ades (cientista), Aziz Absaber (geógrafo), o locutor das corridas de cavalos, Ernane Pires. Pessoas insubstituíveis de uma época em que a justiça podia até não ser muito cega, mas educação era obrigação da família e dependia muito menos das leis.

26/04/2012

WAGNER MOURA COERENTE DIANTE DA IDIOTIA

Este texto peguei do feed de notícias do Facebook de alguém que nem conheço. 
Acho o facebook engraçado, é como falar alto no conjugado... Tem sempre alguém pra chegar da janela e responder ou colar a orelha na parede... srsrrs . Só uma coisa assim pra acabar com o reinado do Orkut no Brasil.
Enfim, o post no FB informa que foi publicado no site globo ponto com, eu encontrei em outro link que vai abaixo da citação. Parti do princípio que não importa quem tenha dito, certas coisas alguém tem realmente que dizer, é muito satisfatório se o autor de tanta coerência tenha sido realmente o Wagner Moura.
Segue a reprodução com foto e tudo:

"Palavras do ator Wagner Moura sobre o Pânico na TV, em carta aberta, divulgada no globo.com":



“Quando estava saindo da cerimônia de entrega do prêmio APCA, há duas semanas em São Paulo, fui abordado por um rapaz meio abobalhado. Ele disse que me amava, chegou a me dar um beijo no rosto e pediu uma entrevista para seu programa de TV no interior. Mesmo estando com o táxi de porta aberta me esperando, achei que seria rude sair andando e negar a entrevista, que de alguma forma poderia ajudar o cara, sei lá, eu sou da época da gentileza, do muito obrigado e do por favor, acredito no ser humano e ainda sou canceriano e baiano, ou seja, um babaca total. Ele me perguntou uma ou duas bobagens, e eu respondi, quando, de repente, apareceu outro apresentador do programa com a mão melecada de gel, passou na minha cabeça e ficou olhando para a câmera rindo. Foi tão surreal que no começo eu não acreditei, depois fui percebendo que estava fazendo parte de um programa de TV, desses que sacaneiam as pessoas. Na hora eu pensei, como qualquer homem que sofre uma agressão, em enfiar a porrada no garoto, mas imediatamente entendi que era isso mesmo que ele queria, e aí bateu uma profunda tristeza com a condição humana, e tudo que consegui foi suspirar algo tipo “que coisa horrível” (o horror, o horror), virar as costas e entrar no carro. Mesmo assim fui perseguido por eles. Não satisfeito, o rapaz abriu a porta do táxi depois que eu entrei, eu tentei fechar de novo, e ele colocou a perna, uma coisa horrorosa, violenta mesmo. Tive vontade de dizer: cara, cê tá louco, me respeita, eu sou um pai de família! Mas fiquei quieto, tipo assalto, em que reagir é pior.

” O que vai na cabeça de um sujeito que tem como profissão jogar meleca nos outros? É a espetacularização da babaquice ”

O táxi foi embora. No caminho, eu pensava no fundo do poço em que chegamos. Meu Deus, será que alguém realmente acha que jogar meleca nos outros é engraçado? Qual será o próximo passo? Tacar cocô nas pessoas? Atingir os incautos com pedaços de pau para o deleite sorridente do telespectador? Compartilho minha indignação porque sei que ela diz respeito a muitos; pessoas públicas ou anônimas, que não compactuam com esse circo de horrores que faz, por exemplo, com que uma emissora de TV passe o dia INTEIRO mostrando imagens da menina Isabella. Estamos nos bestializando, nos idiotizando. O que vai na cabeça de um sujeito que tem como profissão jogar meleca nos outros? É a espetacularização da babaquice. Amigos, a mediocridade é amiga da barbárie! E a coisa tá feia.

” Isso naturalmente não o impediu de colocar a cagada no ar. Afinal de contas, vai dar mais audiência ”

Digo isso com a consciência de quem nunca jogou o jogo bobo da celebridade. Não sou celebridade de nada, sou ator. Entendo que apareço na TV das pessoas e gosto quando alguém vem dizer que curte meu trabalho, assim como deve gostar o jornalista, o médico ou o carpinteiro que ouve um elogio. Gosto de ser conhecido pelo que faço, mas não suporto falta de educação. O preço da fama? Não engulo essa. Tive pai e mãe. Tinham pais esses paparazzi que mataram a princesa Diana? É jornalismo isso? Aliás, dá para ter respeito por um sujeito que fica escondido atrás de uma árvore para fotografar uma criança no parquinho? Dois deles perseguiram uma amiga atriz, grávida de oito meses, por dois quarteirões. Ela passou mal, e os caras continuaram fotografando. Perseguir uma grávida? Ah, mas tá reclamando de quê? Não é famoso? Então agüenta! O que que é isso, gente? Du Moscovis e Lázaro (Ramos) também já escreveram sobre o assunto, e eu acho que tem, sim, que haver alguma reação por parte dos que não estão a fim de alimentar essa palhaçada. Existe, sim, gente inteligente que não dá a mínima para as fofocas das revistas e as baixarias dos programas de TV. Existe, sim, gente que tem outros valores, como meus amigos do MHuD (Movimento Humanos Direitos), que estão preocupados é em combater o trabalho escravo, a prostituição infantil, a violência agrária, os grandes latifúndios, o aquecimento global e a corrupção. Fazer algo de útil com essa vida efêmera, sem nunca abrir mão do bom humor. Há, sim, gente que pensa diferente. E exigimos, no mínimo, não sermos melecados.

No dia seguinte, o rapaz do programa mandou um e-mail para o escritório que me agencia se desculpando por, segundo suas palavras, a “cagada” que havia feito. Isso naturalmente não o impediu de colocar a cagada no ar. Afinal de contas, vai dar mais audiência. E contra a audiência não há argumentos. Será?"


links relacionados: 
http://www.observatoriodaimprensa.com.br/news/view/wagner_moura_a_meleca_no_cabelo_e_a_idiotizacao_da_tv
http://frases.globo.com/wagner-moura/23547